O INTRIGANTE MISTÉRIO DOS OVNIS

Maio 27, 2007

I I – Algumas Reflexões 

            Até agora o denominado “Mistério Ovni” tem-se revelado tão impenetrável e complexo como outros mistérios que têm convivido com o Homem desde que começou a interrogar-se: “ – Há vida para além da Morte?”. “- Quem sou eu?” “Quem somos nós?” … e outras de idêntica amplitude. Apesar da Ciência moderna estar todos os dias a aumentar o seu conhecimento julgamos que muitas dessas perguntas continuarão por responder, por muito e muito tempo.

De pergunta em pergunta poderemos acrescentar mais estas: – Será um desperdício perder tempo a tentar decifrar estes mistérios e incógnitas? Devemos deixar esse trabalho aos “entendidos” que têm resposta pronta para tudo?  Ou vale a pena o desafio por mais intangíveis que pareçam as respostas?

O mistério dos ovnis já fez correr muita tinta e com certeza fará correr muita mais. Poderíamos escrever aqui nesta rubrica durante dois anos seguidos só a relatar casos que, um pouco por todo o mundo, vão chegando ao conhecimento dos media e ao fim desse tempo teríamos já outros tantos para relatar. Para além disso é sabido que muitos e interessantes casos nem sequer vêm a público já que os seus protagonistas se retraem e preferem não falar das suas experiências.

Muitos dos grupos que se dedicam à investigação ovni dedicam-se quase, exclusivamente, ao relato e apreciação de casos. Sempre que é registado algo de anómalo, logo se “vestem da maior gala” e aparecem nas televisões, nas rádios e jornais, fazendo os seus comentários as suas apreciações e dão os seus palpites acerca do que supõem ter acontecido. Passados uns tempos tudo regressa a uma expectante vigília à espera de mais… Porém, essa atitude, corrente, é perfeitamente normal e até saudável. Se um qualquer acontecimento ou observação insólita não provocasse algum tipo de reacção ou interesse então, sim, seria um sintoma bem preocupante – ou estaríamos todos narcotizados ou já meio moribundos… felizmente ainda não é esse o caso! No entanto, parece que estamos todos à espera que um dia saia alguém de um ovni e nos diga: “- Aqui estamos nós. Viemos da 15ª dimensão e queremos estabelecer relações pacíficas com os habitantes deste planeta…!”

A nosso ver, o mistério dos ovnis não se poderá equacionar em termos de “embaixadas”. Antes disso, teremos de ascender a um patamar bem alto de evolução capaz de nos permitir “chegar à fala”(isto se estivermos, de facto, a lidar com um “alguém” na verdadeira acepção do termo). Não vimos isto escrito em lado nenhum. É só uma constatação natural e intuitiva daqueles que andam há muitos anos envolvidos e atraídos por este intrigante mistério.

No próximo artigo continuaremos estas “reflexões”. Veremos até onde elas nos poderão levar…

 

António Durval

O INTRIGANTE MISTÉRIO DOS OVNIS

Maio 26, 2007

I – O despertar 

Quando Kenneth Arnold comunicou ter avistado 9 objectos semelhantes a asas voadoras (que a comunicação social, da altura, noticiou, erradamente, como tendo a forma de pires ou discos) ao sobrevoar, de avioneta, o Estado de Washington a 24 de Junho de 1947 estaria longe de imaginar o que viria a seguir. A esse avistamento, que teve grande impacto na imprensa internacional, sucederam-se muitos outros designados, na altura por “Discos Voadores”. Também, o nosso país não ficou arredado deste tipo de “experiências” facto que deu origem, 3 décadas depois, ao aparecimento de numerosos grupos de investigação. Segundo Sanches Bueno existiam na década de 70 cerca de 12 Grupos espalhados por todo o país.Depressa se constatou que essas estranhas manifestações na atmosfera não tinham sempre a forma discoide. Assim, das iniciais designações  “discos voadores”, “platillos volantes”, “soucoupes”, “flying saucers”, etc., passou-se para as actuais designações: UFO (“unidentified flying object” – nos países de língua inglesa) ou OVNI (objecto voador não identificado – no resto do mundo).Muito se tem escrito e especulado acerca deste estranho fenómeno que tem sido objecto de muito sensacionalismo, controvérsia e até mistificação. Ao desafiar frequentemente as leis da Física (conhecidas) e surgir, muitas vezes, embrulhado em panejamentos de cariz religioso ou paranormal origina de algum modo o desinteresse da comunidade científica. Há a registar, porém, algumas, honrosas, excepções mesmo no nosso país. Curiosamente os referidos grupos de investigação apesar de muitos ocasos e ressurgimentos vão persistindo estoicamente na sua teimosia de não deixar morrer o interesse por este quase mito do nosso tempo. Aos longos períodos de hibernação, por escassez de actividade ovni, sucedem-se períodos de intensa visibilidade e actividade sempre que alguém comunique algum novo caso. A Internet, por sua vez, veio dar uma nova dimensão ao trabalho destes grupos já que os aproxima da realidade transfronteiriça e mundial deste intrigante fenómeno.O verdadeiro boom mediático e o folclore que tem surgido nalguns locais como Roswell, Varginha, etc., são fenómenos bem humanos que, também, pertencem ao ramo das ciências sociais e como tal, mereciam ser devidamente estudados.  Tentaremos nos próximos artigos demonstrar que, afinal, este estranho e ainda insondável mistério nos fornece um manancial de pistas muito interessantes, não para desvendarmos o fenómeno Ovni mas, sim, para conhecermos um pouco melhor aquele ser que está a despertar para ele – O HOMEM!